-Objetivos- -Coleções- -Glossário- -Artigos- -Reportagens- -Notícias- -Universo da Filatelia- -Informações- -Peças Filatélicas- -Material Filatélico- -Mercado Virtual- -Bibliografia- -Aceita um cafezinho?- -Contato- -Home-

1 de setembro de 2011


19 - Série Cidades Históricas: 400 Anos de Emancipação de Mogi das Cruzes/SP
--------------------------------------------------------------
SOBRE O SELO

No canto superior esquerdo, a imagem dos bandeirantes que passaram pelo povoado de Boigy, a caminho do sertão. Abaixo, as Igrejas das Ordens Primeira e Terceira do Carmo que, originalmente, marcavam os limites da vila seiscentista. Ao centro, na margem superior, a imagem da grandiosidade da atual Mogi das Cruzes. Logo abaixo, a pomba branca simboliza a Festa do Divino Espírito Santo, raiz de fé e da cultura do povo mogiano e, em seguida, o Casarão do Chá, localizado no bairro de Cocuera, construído em 1942 pelo arquiteto-carpinteiro, como era conhecido o japonês Kazuo Hanaoka, um dos mais valiosos exemplares da arquitetura nipo-brasileira, de acordo com o Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, tombado pelo IPHAN. Ao seu lado, o Obelisco, considerado o “Marco Zero” da cidade, construído em bloco de mármore, com as quatro datas históricas da cidade. No canto direito, a imagem do Paço Municipal, um contraponto ao passado, representando o presente moderno da cidade. Foram utilizadas as técnicas de pintura e computação gráfica.

DETALHES TÉCNICOS

Edital nº 19 Arte: Luciomar S. de Jesus Processo de Impressão: Ofsete + verniz UV sobre a estátua Folha com 24 selos Papel: Cuchê gomado Valor facial: R$1,10 Tiragem: 240.000 selos Área de desenho: 54mm x 21mm Dimensões do selo: 59mm x 25mm Picotagem: 11,5 x 12 Data de emissão: 1°/9/2011 Local de lançamento: Mogi das Cruzes/SP Peça fitalélica: cartão-postal Tiragem: 3.000 cartões-postais Impressão: Casa da Moeda do Brasil Prazo de comercialização pela ECT: até 31 de dezembro de 2014 (este prazo não será considerado quando o selo/bloco for comercializado como parte integrante das coleções anuais, cartelas temáticas ou quando destinado para fins de elaboração de material promocional.)

Texto descritivo do Edital
SÉRIE CIDADES HISTÓRICAS - 400 ANOS DE MOGI DAS CRUZES – SP

No território compreendido pela sesmaria concedida a Braz Cubas, no ano de 1560, foi fundado um povoado denominado Boigy (do tupi M’Boiji – Rio das Cobras). Em 1º de setembro de 1611, o Governador Geral da Capitania de São Paulo – Dom Luís de Sousa - elevou o povoado a “Vila”, com o nome de “Vila de Sant’Anna de Mogy Mirim”, e solicitou a Gaspar Vaz que, a partir dali, abrisse um caminho que alcançasse as terras do Vale do Paraíba. Mogy tornou-se a terceira Vila do Planalto Piratiningano e a décima sétima Vila do Brasil.

Caminhos do Sertão: “Embarcados na sua canoa, o padre, o negociante, o fazendeiro, o simples homem do povo, podiam atingir qualquer ponto dentro da zona povoada em torno de Piratininga. Navegando rio acima alcançavam a Conceição dos Guarus, o Maqueribu onde depois se estabelecera João Pires, S. Miguel e Taquaquicetuba, onde mais tarde o Padre João Álvares aldeou alguns índios Guaianases, e atingia-se o sítio de Boigi (...) no lugar em que alguns moradores tinham já iniciado uma pequena povoação que foi a origem da atual cidade de Mogi das Cruzes.” Teodoro Sampaio, 1899. (sic)

Distante das terras Piratininganas, a Vila de Sant’Anna de Mogy Mirim torna-se posto avançado de povoamento, desenvolvendo-se ao longo dos anos, onde, a partir de suas terras começam a se estabelecer novos povoamentos e vilas, dentre as quais podemos citar: São José da Parahyba – atual Jacareí, em 1653, e a Aldeia do Rio Comprido – atual São José dos Campos, em 1767. Ao longo dos séculos, das terras mogianas originamse 14 municípios, sendo a sua maioria as cidades que compõem a região denominada de Alto Tietê Cabeceiras.

A estrada entre São Paulo e Rio de Janeiro só passou a existir a partir de 1700. Até então, quem quisesse ir de uma cidade à outra deveria fazê-lo pelo Vale do Tietê, passando pela região de Mogi das Cruzes, daí atingindo o Vale do Paraíba. No século XVII, a agricultura deu um grande impulso para a economia, ao abastecer a todos que partiam para o sertão em busca do ouro das Minas Gerais. Nos dois séculos seguintes, a região foi se adaptando à demanda, com as culturas de algodão, cana-de-açúcar, entre outros itens, sendo o café o grande destaque. Mais tarde, com a chegada dos imigrantes japoneses, as culturas de chás, frutas e hortaliças, além das plantas ornamentais, passaram a constituir o chamado Cinturão Verde da Grande São Paulo.

Importante rota de passagem e parada obrigatória dos tropeiros, desde 1773 Mogi tornou-se “Parada Prompta” dos Correios. Estabeleceu sua agência definitiva em 1845, e os povoamentos e vilas próximas passaram a ser atendidos pela Empresa, por meio de “Próprios” ou “Positivos”, ou por linhas regulares.

De Caminhos do Sertão à Estrada Real: A Vila recebeu a visita passageira de D. Pedro I, em 1822, ao retornar para o Rio de Janeiro de sua viagem a São Paulo, por ocasião da Proclamação da Independência. A Guarda Real do Império deixou em Mogi das Cruzes seu pavilhão real, que hoje é relíquia guardada no Museu Histórico da cidade.

No ano de 1875, é inaugurada a ligação entre Mogi das Cruzes e São Paulo pela Estrada de Ferro do Norte e, no ano de 1877, conclui-se a ligação férrea entre São Paulo e Rio de Janeiro. A partir de então, Mogi das Cruzes passa a ser, constantemente, visitada por grande número de governantes e ilustres personalidades. Atualmente, a malha ferroviária destina-se ao tráfego regional e, nos finais de semana, também, ao Trem Expresso Turístico, tornando-se mais uma opção de cultura e lazer para a população da região metropolitana de São Paulo.

JOÃO ROBERTO BAYLONGUE
Filatelista e Pesquisador
--------------------------------------------------------------
Veja a íntegra do Edital (Arquivo .pdf)
Edital 19 - 2011
19 - Série Cidades Históricas: 400 Anos de Emancipação de Mogi das Cruzes/SP
--------------------------------------------------------------
Alguns dos temas ilustrados pelas peças

O selo ilustra: História, Geografia, cidades históricas, igrejas, monumentos, esculturas, minerais, prédios públicos históricos.

--------------------------------------------------------------
Peças Filatélicas

Serão preparadas algumas peças com base nos selos do bloco, no bloco, no carimbo comemorativo de 1º dia de emissão, envelopes, e cartôes-postais.

--------------------------------------------------------------
Cartões-Postais

Cartão-postal de emissão dos correios, Série Cidades Históricas: 400 Anos de Emancipação de Mogi das Cruzes/SP
Igreja da Ordem Primeira e Paçco Municipal, Mogi das Cruzes
--------------------------------------------------------------
Próxima Série: Clique no título.
20 - Centenário do Theatro Municipal de São Paulo
Série Anterior: Clique no título.
18 - Série Relações Diplomáticas: BRASIL-UCRÂNIA
Voltar para o Indice do Album 2011
Desenvolvimento: João Alberto Correia da Silva