-Objetivos- -Coleções- -Glossário- -Artigos- -Reportagens- -Notícias- -Universo da Filatelia- -Informações- -Peças Filatélicas- -Material Filatélico- -Mercado Virtual- -Bibliografia- -Aceita um cafezinho?- -Contato- -Home-

15 de julho de 2011


14 - 200 Anos da Associação Comercial da Bahia
--------------------------------------------------------------
SOBRE O SELO

O selo reproduz a logomarca do bicentenário da Associação Comercial da Bahia, destacando, ao centro, a imagem atual de sua sede, posicionada sobre o número 200, indicando os dois séculos da entidade. Acima, o nome da ACB e o ano de sua fundação. A aplicação da cor azul em diversas tonalidades sugere a ideia de passado, presente e futuro, além de conferir ao motivo enfocado um ar de nobreza e perenidade. Foram utilizadas as técnicas de fotografia e de computação gráfica.

DETALHES TÉCNICOS

Edital nº 14 Arte: Domingos Guerra Junqueira Processo de Impressão: Ofsete Folha com 30 selos Papel: Cuchê gomado Valor facial: R$ 1,10 Tiragem: 300.000 selos Área de desenho do selo: 25mm x 35mm Dimensões do selo: 30mm x 40mm Picotagem: 12 x 11,5 Data de emissão: 15/7/2011 Local de lançamento: Salvador - BA Impressão: Casa da Moeda do Brasil Prazo de comercialização pela ECT: até 31 de dezembro de 2014 (este prazo não será considerado quando o selo/bloco for comercializado como parte integrante das coleções anuais, cartelas temáticas ou quando destinado para fins de elaboração de material promocional.)

Texto descritivo do Edital
ASSOCIAÇÃO COMERCIAL DA BAHIA
200 Anos Fazendo História

A primeira entidade de classe do Brasil e a mais antiga das Américas, criada no dia 15 de julho de 1811, a Associação Comercial da Bahia - ACB comemora, neste ano, 200 anos de atuação ininterrupta.

Quem passa pela Praça Conde dos Arcos, em Salvador, capital do Estado da Bahia, logo se depara com o imponente prédio em estilo inglês, do século XIX, sede da Associação Comercial da Bahia, edifício tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional - IPHAN.

Salvador já era “uma das cidades mais comerciantes da Monarquia”, como escreveu, a 12 de abril de 1811, o governador D. Marcos de Noronha e Brito, VIII Conde dos Arcos, em carta endereçada ao Conde de Linhares, pedindo a aprovação da Coroa para a criação de uma casa destinada “ao corpo do comércio, onde tivessem lugar as transações, costumes e estilos da classe comerciante na Bahia”.

No dia 15 de julho de 1811 - data considerada a oficial de criação - recebe o VIII Conde dos Arcos a resposta positiva de Dom João VI, determinando que se pusesse em execução “a construção do edifício que se destine à ‘Casa do Comércio’, no terreno que sobeja do serviço das peças da Bateria de São Fernando”. Salvador já era o principal centro de distribuição de mercadorias para as demais capitanias e para os portos da Europa, África e do Prata.

Em 1840, a pioneira Praça do Comércio reorganiza-se como Associação Comercial da Bahia, regida por estatutos próprios, e com os seus administradores eleitos por um colegiado. O advento do primeiro Código Comercial do Brasil - Lei nº. 556, de 25 de junho de 1850, e a instalação do Tribunal do Comércio da Província, em 13 de janeiro de 1851, contribuem, decisivamente, para o fortalecimento da entidade.

Na Primeira República, já extrapola suas ações e ganha visibilidade além de seu universo natural de comerciantes. A instituição firma-se como palco de importantes eventos políticos, econômicos e sociais da Bahia e do Brasil. Ministros e Secretários de Estado passaram pelo Palácio da ACB, a exemplo dos presidentes Getúlio Vargas e Washington Luiz, autoridades eclesiásticas, personalidades da República Velha e Nova. Foi o local da assinatura do ato para implementação do Polo Petroquímico de Camaçari, em 1970.

O rico acervo restaurado e preservado ao longo dos últimos anos, aberto à visitação pública, exibe objetos e documentos de época, além de telas a óleo, que estampam vultos e feitos da maior importância para a história, a exemplo do mural de Cândido Portinari retratando o desembarque da Família Real de Dom João VI na Bahia.

A ACB integra um nicho composto de uma ampla pluralidade de setores da economia, responsável por mais de 60% do PIB baiano (agricultura, comércio, indústria e serviços), e que gerou, nos anos recentes, direta ou indiretamente, mais de 46% das vagas de emprego no Estado.

Revigorada e conectada à dinâmica do mundo globalizado, a Associação Comercial da Bahia celebra o bicentenário de suas lutas em favor do desenvolvimento da Bahia e do Brasil, sempre em defesa dos interesses da comunidade e do empresariado que representa.

Com a emissão desse selo, os Correios registram os 200 anos de reconhecido trabalho desenvolvido ininterruptamente pela Associação Comercial da Bahia.

--------------------------------------------------------------
Veja a íntegra do Edital (Arquivo .pdf)
Edital 14 - 2011
14 - 200 Anos da Associação Comercial da Bahia
--------------------------------------------------------------
Alguns dos temas ilustrados pelas peças

História, edifcícios históricos, arquitetura, comércio, entidades de classe, centenários.

--------------------------------------------------------------
Peças Filatélicas

14 - 200 Anos da Associação Comercial da Bahia - Quadra com carimbo comemorativo de 1º dia de circulação - FDC

14 - 200 Anos da Associação Comercial da Bahia - Envelope comemorativo de 1º dia de circulação - FDC
--------------------------------------------------------------
Cartões-Postais

Encontrei em minha coleção incipiente de cartôes-postais o seguinte cartão que será utilizado para confecção de um máximo-postal.


Cartão-Postal de emissão Paraná Cart, Salvador, Associação Comercial da Bahia, A mais Velha do Brasil - Estado da Bahia - Brasil
--------------------------------------------------------------
Próxima Série: Clique no título.
15 - Emissão Mercosul-Atores Nacionais: Centenário de Nascimento de Paulo Gracindo (16/7)
Série Anterior: Clique no título.
13a - Folha de Selos Personalizados -70 Anos da Justiça do Trabalho no Ceará.
Voltar para o Indice do Album 2011
Desenvolvimento: João Alberto Correia da Silva